arrow_drop_down
Pastoral: Caos e Cura

Pastoral: Caos e Cura

2021. O tempo passou e o mundo sofre sob o mal devastador que cobre a humanidade com medo e morte. Quem poderia imaginar que um ato tão despretensioso – alguém comer o que não devia em algum lugar na Ásia – teria resultados tão desastrosos e ceifaria para sempre a vida de milhões de pessoas em todos os países do globo?


Para onde quer que voltemos os olhos, vemos as consequências. O luto se tornou parte tão estranha quanto comum da rotina dos seres humanos que, mesmo sabedores do que virá, se negam a acostumar-se com a perda e o vazio deixados por aqueles que se vão. Pais, mães, filhos, avós, familiares, amigos, colegas de trabalho ou completos desconhecidos: todos perdemos alguém para essa mazela que não escolhe nacionalidade, cor de pele, gênero, posição social ou patrimônio acumulado.


Desorientada pelo medo, a humanidade se dividiu e se isolou, os dedos em riste apontados para o animal causador do mal, para o outro, ou mesmo para Deus, em busca de culpados pela desgraça que sobre nós se abateu. De nada adiantou, afinal, a morte é imune à culpa. Mas não à vida.


Em tempo, veio a resposta que anularia os efeitos da doença nos humanos e preservaria – com 100% de eficácia – a vida dos que, de outro modo, seriam também aniquilados. Longe dos laboratórios, o antídoto veio do alto de um monte empoeirado – também em algum lugar da Ásia – extraído não de um morcego ou de uma serpente, mas de um Cordeiro sem defeito.


Quando a Vida voltou à vida três dias depois, e quando homens mortos começaram a nascer de novo, o mundo se viu diante da cura definitiva para o mal. Agora, por amor, compaixão e decência, cabe a quem possui o antídoto empreender tudo o que está a seu alcance para que outros também sejam salvos, correto? Mas, em temporada de “caça aos negligentes” e em que “genocídio” é termo tão em voga, me pergunto: o que dirão de quem apesar de saber o Caminho, conhecer a Verdade e ter sido alcançado pela Vida agiu, em pleno Caos, como a Cura fosse só para si?


Pastor Maisel Rocha