O Poder de Transformação pelo Evangelho

O Poder de Transformação pelo Evangelho

A religião de maneira geral propõe: “Obedeço; portanto, sou aceito”, o evangelho é muito diferente: “Sou aceito por Deus por meio de Cristo, portanto obedeço”. Fazem isso por motivações radicalmente diferentes. Uma vida motivada pelas Obras e outra vida motivada pela GRAÇA.

De modo geral, os cristãos identificam duas maneiras de responder a Deus: segui-lo e fazer a vontade dele ou rejeitá-lo e fazer o que bem entendem. Mas existem somente duas maneiras de rejeitar a Deus: Rejeitamos a Deus quando rejeitamos sua lei e vivemos como queremos. Também podemos rejeitar a Deus quando abraçamos e acatamos sua lei só para sermos salvos, isto resultado no moralismo – parecem que estão fazendo a vontade de Deus. Portanto, gostaria de trazer três conceitos, baseados no livro de Tim Keller, IGREJA CENTRADA: Irreligião, Religião e Evangelho.

Irreligião é esquivar-se de Deus como Senhor e Salvador, desprezando-o totalmente. “Religião” ou moralismo (legalismo) é esquivar-se de Deus como Senhor e Salvador, criando uma justiça moral e, então, apresentando-a a Deus em um esforço de mostrar que ele “deve” algo a você. No entanto, o Evangelho em nada diz respeito a uma justiça que desenvolvemos ou entregamos a Deus de modo que ele seja nosso devedor; evangelho significa Deus desenvolvendo e nos oferecendo justiça por meio de Cristo (1 Cor. 1:30,31; 2 Cor. 5:21).

No Novo Testamento, essas três maneiras são proeminentes em Romanos de 1 a 4. Começando por Rm 1.18-32, Paulo mostra que os gentios e imorais estão perdidos e distantes de Deus. Em Rm 2.1-3.20, Paulo, de uma maneira que contraria a forma comum de pensar, afirma que os judeus morais e que creem na Bíblia também estão perdidos e distantes de Deus (Rm 3:9-11). Ou seja, milhares de pessoas que obedeciam à Bíblia e criam em toda ela com diligência não buscavam a Deus, mesmo sendo religiosas. O motivo é que, se você busca retidão com Deus por meio de sua moral e da religião, não está buscando a Deus para ser salvo; está usando Deus como meio de obter a própria salvação. No restante da carta aos Romanos, Paulo passa a explicar que evangelho significa buscarmos a Deus em Cristo para sermos salvos somente pela graça e somente pela fé.

Do começo ao fim dos Evangelhos, essas 3 maneiras de responder – religião, irreligião e evangelho – reaparecem nos encontros de Jesus. No caso do fariseu e do cobrador de impostos (Lc 18), como também de um fariseu ou uma mulher sem honra (Lc 7), numa multidão respeitável e num homem endemoniado (Mc 5), em todas as situações a pessoa menos religiosa, menos moral, conecta-se mais prontamente a Jesus. Já percebeu isto? Mesmo em João 3 e 4, onde temos um contraste semelhante entre um fariseu e uma samaritana imoral, a mulher recebe o evangelho com alegria, enquanto Nicodemos, o fariseu, evidentemente tem de ir para casa pensar. Infelizmente, é muito mais fácil ir do evangelho para a religião do que percorrer o caminho contrário. A religião por natureza está no coração humano.

PREGANDO A TERCEIRA VIA A TODAS AS PESSOAS – Muitos que se dizem cristãos são apenas cristãos nominais; puramente “irmãos mais velhos” (Lc 15.11-32). Muitos cristãos genuínos são um tanto ‘irmãos mais velhos’ – revoltados, mecânicos, soberbos, inseguros. E, a maioria dos não crentes de hoje rejeita os frutos venenosos da religião, mas ao agir desse modo, acham que estão rejeitando o cristianismo. A não ser que lhes mostremos de forma constante e clara que confundiram o evangelho e que não estamos falando de religião, essas pessoas não darão ouvidos ao verdadeiro evangelho. O único modo de exercermos um ministério que de fato produz alegria, poder e avivamento sem autoritarismo, é pregar o evangelho para desconstruir tanto o legalismo quanto o relativismo. A mudança de comportamento pelo moralismo pode até dobrar a pessoa, forçando-a a um padrão diferente por medo das consequências, em vez de fundir a pessoa para que se ajuste a uma nova forma. É por isso que as pessoas que tentam mudar por meio do comportamento moralista caem repetidamente nos pecados que se achavam incapazes de cometer.

MUDANÇA DE COMPORTAMENTO PELO EVANGELHO – O evangelho da graça de Deus não força o coração a se encaixar num novo molde; ele o derrete e refaz. O evangelho pode produzir novo amor, alegria e gratidão – novas inclinações do coração que destroem o egocentrismo e o orgulho. Sem esse “calor do evangelho” – o amor, a alegria e a gratidão resultantes da experiência da graça –, as pessoas simplesmente não aguentam a pressão. É preciso deixar que o Espírito lute com você, e permitir que o evangelho se aprofunde até mudar suas perspectivas e os fundamentos de sua motivação. Aos poucos, e de modo constante, as verdades do evangelho, ministradas pelo mesmo ESPÍRITO, nos ajudarão a entender de modo novo como estamos salvos e seguros, como somos amados e aceitos em Cristo (Ef. 3:16-19).

Fraternalmente em Cristo, Pr Josué Peixoto.